Foto: Bruno Wendel/CORREIO

O motorista de aplicativo Rafael Barbosa Souza, 30 anos, era "do corre". Para ele não havia tempo ruim, afinal, como muitos trabalhadores, tinha uma família para sustentar. Começava cedo, às 5h e só parava às 23h, se dividindo entre Salvador e Lauro de Freitas, onde morava. Rafael foi assassinado a tiros, na noite desta terça-feira (29), dentro do carro em que usava para o trabalho enquanto transportava três passageiros - dois homens e uma mulher. O crime ocorreu por volta das 20h30 no centro de Lauro. 

De acordo com testemunhas e parentes de Rafael, depois dos disparos, foram vistos saindo do carro dois homens e uma mulher, que carregava uma criança de colo. "Foi o que ficamos sabendo. Havia um homem no banco do carona e atrás estava casal, sendo que a mulher segurava uma criança", contou o tio de Rafael, o vendedor Luiz Souza, 40. Segundo a Polícia Civil, a 23ª Delegacia (Lauro de Freitas) é a unidade que apura a morte de Rafael, baleado duas vezes na Praça da Matriz, no centro da cidade. "Após os tiros, o carro colidiu em um muro e três pessoas desembarcaram. Autoria e motivação do crime serão investigadas", diz nota enviada ao CORREIO. A polícia não informou se os pertences da vítima foram levados pelo assassino. 


Conversas gravadas 
A versão também foi apresentada pelo Sindicato dos Motoristas de Aplicativos, Condutores de Cooperativas e Trabalhadores Terceirizados em Geral da Bahia (Simactter). O que causa estranheza à entidade foi o fato de Rafael ter sido baleado na cabeça e nas costas. “Até então, não levaram nada dele, mas porque atiraram nele duas vezes? Ainda por cima nas cabeça e nas costas?”, declarou Átila Santana, presidente da entidade.

Quando chegou ao local, a Polícia Civil constatou que, apesar da morte de Rafael, a corrida não tinha sido encerrada, o que possibilitou os investigadores colherem pistas relevantes do caso, como exemplo, a conversa num chat do aplicativo entre o motorista e o provável autor dos disparos. “No diálogo, o cara dizia que outros motoristas se recusaram a buscá-lo em Vida Nova. O bairro é conhecido pelo histórico de assaltos e a gente recomenda aos motoristas que recusem esses chamados”, declarou Átila Santana, do Simactter. 

Outra condição que poderá levar a polícia aos envolvidos no crime, é a agravação de toda a conversa que ocorreu dentro do veículo da vítima. “O aplicativo dispõe de um recurso que capta toda os diálogos durante a corrida. Isso já está em mãos da polícia. Não vamos aceitar a impunidade. Exigimos de imediato a apresentação do assassino, vivo ou morto", bradou Átila. Em nota (confira a íntegra abaixo), a 99 informou que bloqueou "preventivamente o perfil responsável pela última chamada ao motorista enquanto as autoridades apuram o episódio". 

Rafael Barbosa Souza foi morto com dois tiros durante corrida em Lauro de Freitas (Foto: Divulgação)

Postar um comentário

 
Top