O boxeador Hassan Saada - Reprodução
BRASÍLIA - A polícia prendeu na manhã desta sexta-feira o lutador de boxe marroquino Hassan Saada, de 22 anos, acusado de assediar sexualmente duas camareiras da Vila Olímpica, na Barra da Tijuca. O atleta, que está numa cela da 42ª DP (Recreio), teve a credencial dos Jogos Olímpicos apreendida pela polícia. Ele não esboçou reação alguma quando foi dada voz de prisão, seguiu os procedimentos recomendados pela polícia, mas não confessou o crime.
A expectativa é de que o marroquino seja transferido para a Polinter ainda nesta sexta-feira. A ordem de prisão, expedida pela juíza Larissa Nunes Saly, do Juizado do Torcedor e Grandes Eventos, é inicialmente, de 15 dias. O caso pode inviabilizar a participação do atleta na Olimpíada. A informação sobre o assédio foi revelada pela coluna de Ancelmo Gois.

Segundo a polícia, Saada atacou duas camareiras na manhã de terça-feira. Primeiro, ele convidou uma delas para fazer uma foto. Depois perguntou se ela tinha perfil em redes sociais. Num segundo momento, encostou a mulher numa parede, pressionou-a com as coxas e ainda tentou beijá-la. O boxeador é acusado ainda de apertar o peito da segunda camareira e, com movimento das mãos, pedir que ela o masturbasse em troca de dinheiro.
Saada foi indiciado no artigo 213 do Código Penal. Após determinar a prisão, a juíza expediu notificação para o Consulado do Marrocos.
“E necessária a prisão do indiciado à complementação das investigações, mormente porque livre o mesmo pode influenciar em diligências necessárias, e, até reincidir na prática de violência de gênero, eis que dois já são os fatos. Ademais, outras profissionais em situações análogas podem estar expostas a mesma violência. Tais fatores justificam a medida e a torna essencial para a segurança de outras pessoas”, escreveu a juíza ao fundamentar a ordem de prisão contra o boxeador, conforme documento sobre o caso obtido pelo GLOBO.


Marroquino foi preso na Vila dos Atletas - Reprodução do Facebook


 

Ela argumenta ainda que Saada “não possui domicílio fixo no país, eis que atleta de delegação olímpica estrangeira, o que dá flagrante dimensão do risco de sua evasão frustrando eventual aplicação da lei penal”. A juíza lembra ainda que “é público e notório que o indiciado permanecerá pouquíssimo tempo no país, retornando ao término dos jogos de imediato”. Para ela, o dever de cumprir as leis brasileiras é de “absolutamente todos” que estão no pais, não importa se brasileiro ou estrangeiro.
A prisão do atleta foi coordenada pela delegada Carolina Salomão da 42ª DP (Recreio), onde as camareiras registraram o caso na terça-feira. Objetos no quarto deverão ser levados para a perícia.
O marroquino faria sua estreia nos Jogos neste sábado, numa luta contra o turco Mehmet NadirIdade Unal, de 23 anos.
BOXEADOR AMEAÇOU NÃO VIR AOS JOGOS
Saada e dois outros boxeadores da delegação marroquina, Mohamed Hamout e Ashraf Kharoubi, o atleta revindicava um a gratificação maior paga pelo Ministério dos Esportes do país, segundo o jornal local "Le Matin".

Os três boxeadores receberam 150 mil dirhams (R$ 49,9 mil), por ter se classificado para a Olimpíada por meio de torneios continentais. Enquanto isso, outros quatro atletas do país ganharam 200 mil dirhams (R$ 66,5 mil), por ter garantido a vaga em competições internacionais.

PRiSÃO NO PARQUE OLÍMPICO
No dia 31 de julho, um segurança que trabalha na empresa Gocil foi preso em flagrante por estupro dentro do Velódromo, no Parque Olímpico, na Barra da Tijuca. Genival Ferreira Mendes foi detido por agentes da Força Nacional e levado para a 16ª DP (Barra). Na ocasião, o delegado Marcus Vinícius Braga, titular da delegacia, disse que o suspeito se aproveitou do momento de descanso da vítima, uma bombeira civil, para passar a mão por baixo do uniforme, enquanto ele dormia.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/boxeador-marroquino-preso-por-assedio-na-vila-olimpica-19857915#ixzz4GT7zemCg 
© 1996 - 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 


 
Reações:

Postar um comentário

 
Top