Um jovem de 24 anos morreu em São Carlos (SP) após implantar silicone no glúteo. Segundo informações da Polícia Civil, Bruno Carrara passou mal após o procedimento e foi levado até a Santa Casa da cidade, onde faleceu por insuficiência respiratória e renal. Ele foi velado durante a madrugada e sepultado na manhã desta quinta-feira (7).
Companheiro de Bruno, Thiago Donizetti, de 28 anos, contou ao G1que ainda não sabe como tudo aconteceu. “Quando eu cheguei em casa, ele me mostrou e falou que tinha colocado o silicone, não me disse como e quem fez”, relatou.
Ele também afirmou que o sonho de Bruno sempre foi fazer o implante e isso gerava desentendimentos entre os dois. “Estávamos meio brigados. Ele sabia que eu era contra e o risco que corria. Ele me falou um dia antes: Vou fazer e, se eu morrer, vou morrer feliz”.
Susto
Donizetti contou que, quando chegou em casa na última terça-feira (5), foi informado por Bruno sobre o procedimento. O rapaz disse ao companheiro que havia colocado entre 2 e 3 litros de silicone, mas não especificou se o implante havia sido feito em casa e por quem.
Eles jantaram e horas depois, já na madrugada, Donizetti percebeu que Bruno não estava bem. “Eu dei um cutucão nele e, quando vi, os olhos dele estavam virando e ele falava: ‘Baby, baby’ tentando me dizer algo. Corri e chamei a ambulância. Não sei se ele morreu aqui em casa, na ambulância ou no hospital”.
Durante o atendimento na Santa Casa, o empresário foi indagado por um médico se o companheiro utilizava drogas. “Isso eu coloco a minha mão no fogo, ele sempre foi muito certo. Acho que ele deve ter tomado remédios para não sentir dor durante o procedimento”, afirmou.
De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, Bruno deu entrada na unidade às 5h01 de quarta-feira (6) com insuficiência respiratória e faleceu às 6h40.
Relação
O empresário contou que ele e Bruno estavam juntos desde 2006 e se conheceram em uma praça frequentada por amigos. “Era amor mesmo, depois de uma semana já fomos morar juntos”.
Também lembrou que as brigas estavam frequentes por conta do sonho de Bruno. “Ele me mostrava depoimentos de pessoas que realizaram o procedimento e comentava que os resultados eram bons. Além disso, disse que uma em um milhão de pessoas falecia e ele não seria uma delas. Eu sempre falava para ele parar com isso e tentava tirar isso da cabeça dele”, afirmou.
Donizetti disse que para cada amigo Bruno dizia que iria fazer o implante com uma pessoa diferente e ele não sabe qual foi o produto utilizado. “Era o sonho dele, todos sabiam”. (Veja mais no G1)
web interativo. 
Reações:

Postar um comentário

 
Top