O policial foi atingido na perna, costas e perna direita e morreu no interior do veículo.Policial militar da reserva é morto durante assalto a ônibus; 3 homens são presos


Andrea Trindade
O sargento da Polícia Militar da Reserva, Adalberto Santos Silva, 56 anos, foi assassinado a tiros na noite de sábado (11) durante um assalto a ônibus do transporte público, na Rua Primavera, no bairro do Sobradinho, em Feira de Santana.
O policial foi atingido na perna, costas e perna direita e morreu no interior do veículo.
Segundo o delegado André Ribeiro, titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR), o sargento estava no ônibus da empresa Rosa quando os homens anunciaram o assalto. Ele reagiu atirando contra os assaltantes e foi morto por eles com a própria arma. 
Baleado na perna, Alexandre Santana Oliveira Nascimento, 21 anos, seguiu para a policlínica do conjunto George Américo, onde foi preso por policiais da 65ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM). Em seguida o acusado foi levado para o Hospital Geral Clériston Andrade, onde foi autuado em flagrante pela Polícia Civil.
“Ele foi preso na ação rápida da Polícia Militar. As diligências continuaram e a Polícia Militar conseguiu efetuar a prisão dos dois outros elementos que participaram do crime”, informou o delegado ao Acorda Cidade.
Alexandre continua internado e o estado de saúde não foi divulgado. Após receber alta ele será levado para o Conjunto Penal de Feira de Santana.
Matheus dos Santos Paiva, 21 anos, confessou ter disparado dois tiros contra o policial no latrocício (roubo seguido de morte) e informou que Alexandre também atirou. Ele e o terceiro acusado, Lucas Matias de Oliveira, 19 anos, (à esquerda da foto) foram levados para o presídio na manhã de hoje (12).
"Foi coisa de reação. Não era para acontecer isso não. Foi sem querer. Foi a primeira vez que eu agi com eles. Alexandre atirou primeiro e depois eu tomei a arma dele e atirei", confessou Matheus informando que planejou o assalto com Alexandre.
 
Com fotos e informações do repórter Aldo Matos do Acorda Cidade
Reações:

Postar um comentário

 
Top