Imagens revelam asa em cima do morro e que veículo deslizou pela serra até planície

Pane elétrica, falta de combustível... As autoridades colombianas ainda estão estudando o real motivo da causa da tragédia que vitimou quase todo o elenco da Chapecoense. Enquanto isso novas imagens ajudam a entender o acidente aéreo que aconteceu na madrugada da última terça-feira em Rionegro, na região de Antioquia, na Colômbia. Uma filmagem feita por um helicóptero, possivelmente de resgate (veja no vídeo acima), e que circula nas redes sociais, mostra uma das asas do avião em cima do morro, revelando que houve uma colisão no pico durante a queda deslizando pela serra até a planície. 71 pessoas morreram, e seis foram feridas.
SAIBA MAIS:
+ Porta-voz confirma autonomia de avião e descarta falha humana em acidente
+ Sobrevivente do voo da Chape revela que luzes apagaram antes da queda
+ Sobrevivente revela que escapou da tragédia ao ficar em posição fetal
+ Brasileira que disse estar no outro voo revela: avião estava atrasado e voltou
+ Associação de Aviadores da Colômbia atribui tragédia à falta de combustível
+ Prefeito de Chapecó cita pane elétrica em avião e crê na salvação de Neto
+ Acompanhe em tempo real todas as informações sobre a tragédia
+ Perguntas e respostas: o que já se sabe sobre o acidente com o avião
+ O dia mais triste: relembre a carreira dos 19 jogadores e do técnico Caio Jr
+ Avião da Chape cai, e autoridades informam: 71 mortos e 6 sobreviventes
+ Jornal Nacional: veja em vídeo como foi o acidente da Chapecoense
+ Jornal Nacional: Galvão homenageia as vítimas da queda do avião
+ Jornal Nacional: a homenagem aos jornalistas que estavam no voo

+ Imprensa em dor: tragédia no voo da Chape tira a vida de 20 jornalistas
+ O luto em imagens: veja fotos da maior tragédia do esporte brasileiro
+ Sobrevivente revela que escapou da tragédia ao ficar em posição fetal
+ TV boliviana gravou com elenco da Chape antes da decolagem; assista
+ Clubes se unem para ajudar Chape com empréstimos de jogadores
+ Atlético Nacional pede que o título da Sul-Americana fique com a Chape+ #ForçaChape: uma homenagem aos heróis de Chapecó
No radar por satélite, é possível perceber que dois aviões voavam bem próximos no local da queda, e que o veículo que transportava a Chapecoense deu duas voltas no ar esperando autorização para aterrissar, a cerca de 7 km da pista do aeroporto José María Córdova. Outro fato que sustenta a versão é que não houve explosão na queda, o que indica a falta de combustível no tanque do veículo. Em entrevista à TV colombiana "Caracol", o presidente da Associação de Aviadores Civis da Colômbia, Jaime Alberto Sierra, explicou a suposição.
O avião boliviano da "Lamia", modelo Avro Regional Jet 85, tem capacidade para cerca de 90 pessoas e é utilizado para voos de média e curta distância. Ou seja, sem reservatório para grande quantidade de combustível – versões não confirmadas dão conta que a distância de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, a Medellín, na Colômbia, era próxima do máximo de combustível que a aeronave suportava, sem deixar margens para erro. Enquanto o da empresa colombiana "Viva Colombia", modelo Airbus A-320, tem o dobro da capacidade na tripulação.

Info-QUEDA-AVIAO-Chapecoense-M (Foto: Infoesporte)
DO Globo
Reações:

Postar um comentário

 
Top