Já classificada, seleção brasileira feminina joga com time alternativo e garante primeiro lugar do Grupo E na Olimpíada 2016

O jogo começou com Marta no banco, para desespero da torcida presente em ótimo número na Arena da Amazônia, em Manaus. Com a seleção feminina já classificada, Vadão poupou a capitã e outras titulares - além de Cristiane, fora por lesão. Após muitos pedidos da arquibancada, a camisa 10 entrou no intervalo, mas não teve vida fácil no 0 a 0 com a África do Sul. Mesmo abaixo das duas primeiras apresentações no torneio de futebol masculino da Olimpíada do Rio, o Brasil avançou invicto e encara a Austrália nas quartas de final. 
  • PRIMEIRO TEMPO
    O torcedor amazonense esperava Marta, Formiga e outra titulares, mas Vadão mandou a campo um time alternativo. Com isso, o torcedor teve que se contentar com a camisa 10 no telão. E, sem as principais jogadores em campo, o Brasil criou poucas chances e terminou o primeiro tempo sem gols, mas também sem ameaçado pela África do Sul. As melhores oportunidades da seleção brasileira, que teve o apoio da Arena da Amazônia lotada, foram em chutes de fora da área. A primeira aos 24 minutos, com Tamires, que parou na goleira Barker, bastante exigida. Aos 38, Debinha subiu pela direita, levou para o meio e bateu da entrada da área. Barker tirou o braço, e a bola carimbou a trave. 
  • DESTAQUESEGUNDO TEMPO
    A torcida pediu, Vadão atendeu. Na volta do internalo, Marta entrou no lugar de Tamires. E a camisa 10 foi o nome da segunda etapa. Sob aplausos a cada toque, criou as principais jogadas. A primeira de mais perigo foi aos 18 minutos, quando quase surpreendeu Barker na tentativa de cruzamento. O Brasil abriu espaço e, aos 25, levou o primeiro susto. Kgatlana acertou o ângulo da baixinha Aline, que voou para salvar. A partir daí, só deu Brasil, mas nada que furasse o bloqueio defensivo armado pelas sul-africanas. 
  • do globo.com
Reações:

Postar um comentário

 
Top