A marca do 11: Jorge Henrique sobe mais que Jefferson e coloca Vasco na frente na final
Vinte centímetros menor que o goleiro alvinegro, baixinho é mais rápido, lembra Romário e deixa o time de São Januário, mais eficiente, perto do bi. Time de Ricardo Gomes estava melhor até o gol no 2º tempo
BOTAFOGO MELHOR, MAS UM VASCO EFICIENTE
Com 11 às costas, sumido do jogo, mas decisivo na hora que mais precisa. Jorge Henrique está muito longe de Romário, mas pode contar que reviveu o Baixinho com a camisa cruzmaltina, a primeira que o ex-jogador vestiu no futebol profissional. Um desvio sutil do atacante colocou o Vasco à frente na decisão do Campeonato Carioca de 2016 nesse domingo, na volta ao Maracanã. O time de Jorginho defende o empate para ser bicampeão carioca - e para conquista invicta que não vem desde 1992. O Alvinegro, melhor no primeiro tempo, vai precisar inverter a vantagem. Se vencer por um gol de diferença, pênaltis. Por dois, o Alvinegro é campeão.
 
Em jogo movimentado e de belos gols, Audax e Santos empatam em Osasco. Decisão é na Vila
Lá e cá! Finalistas do Paulistão atacam muito em partida aberta, criam chances, mas não saem da igualdade no José Liberatti. No segundo duelo, no próximo domingo, novo empate leva finalíssima aos pênaltis
O JOGO
Audax e Santos empataram por 1 a 1 na primeira decisão do Campeonato Paulista, neste domingo, em Osasco. O jogo foi equilibrado e bem aberto, com boas chances criadas por ambos os finalistas. O Audax abriu o placar com Mike, e o Santos empatou com Ronaldo Mendes. A segunda final será no próximo domingo, na Vila Belmiro. Quem ganhar, leva a taça. Se houver empate, decisão será por pênaltis. 
Futebol bem jogado, ofensivo e visando a vitória. Audax e Santos, os adversários desta decisão do Paulistão, possuem estilo parecido de jogo, o que ficou claro na primeira final, em Osasco.

A partida foi bem aberta, com muitas chances criadas. Dorival prometeu não pressionar os rivais, mas o fez em alguns momentos. Já a equipe de Diniz não abdicou do estilo de jogo ofensivo, apesar de ser o "pequeno" da decisão.

No primeiro tempo, o domínio santista contou com duas bolas na trave e neutralização do Audax, mas os gols ficaram no quase. A situação mudou na etapa final. O Audax pressionou mais e conseguiu abrir o placar, com Mike, aos 12 minutos. O Santos passou a responder, voltou a propor o jogo e chegou ao empate aos 34, com chutaço de Ronaldo Mendes após erro de Tchê Tchê.

A justa igualdade deixa a decisão para a Vila Belmiro, no próximo domingo. Se não houve ganhadores em campo, ao menos, o futebol venceu em Osasco.  
Robinho perde pênalti, Danilo faz dois, Coelho vence e joga por empate contra o Galo
Em jogo bastante movimentado, América-MG aproveita melhor as chances e derrota o Atlético-MG por 2 a 1, no Horto; Com a vitória, time americano pode até empatar o jogo de volta que será campeão
PRÓXIMO JOGO
Agora o Atlético-MG volta a pensar na Libertadores, quando terá o Racing pela frente, na quarta-feira, às 21h45, no Independência. Já o América-MG pensa apenas no segundo jogo da decisão do Mineiro, no domingo, às 16h, no Mineirão.
SITUAÇÃO PARA A FINALÍSSIMA
Para o jogo de volta, que será no Mineirão, o América-MG pode jogar até pelo empate. O gol de Lucas Pratto no fim deu ao Atlético-MG a chance de levar o bicampeonato vencendo por apenas um gol de diferença.
SÃO JOÃO RICARDO
Antes do jogo, João Ricardo era dúvida. Sua escalação foi confirmada apenas após um teste no campo, já no Independência. No entanto, o goleiro foi crucial para a vitória do Coelho. Ele fez defesas importantes e defendeu o pênalti cobrado por Robinho, já na reta final da partida.
Santa Cruz sai atrás, mas consegue o empate e conquista o Nordestão diante do Campinense
Tricolor faz valer a vantagem conquistada no Arruda, segura o resultado em Campina Grande e vence, pela primeira vez na história, o título regional
VAGA EM DOIS ANOS SEGUIDOS NA SUL-AMERICANA?
A Copa do Nordeste garante vaga na Sul-Americana. No entanto, com a mudança no regulamento, ocorrida neste ano, o acesso à competição internacional só acontece no ano seguinte. Porém, para ajustar o calendário, o campeão de 2016 terá a vaga do ano corrente, além da de 2017.
O JOGO
Pela primeira vez em 102 anos de história, o Santa Cruz pintou o Nordeste de preto, branco e vermelho. Com doses cavalares de emoção, o time não se abateu com um Estádio Amigão cheio. A torcida tricolor compareceu em peso, invadiu Campina Grande e empurrou o time. O empate era a vantagem que a Cobra Coral tinha em mãos. E foi na medida. O Campinense abriu o placar com Rodrigão, mas Arthur empatou o jogo na base do coração. Foi o primeiro título regional do clube. Para melhorar, a conquista dará vaga na Copa Sul-Americana de 2016 e 2017. 
DESTAQUEVAGA EM DOIS ANOS SEGUIDOS NA SUL-AMERICANA?
A Copa do Nordeste garante vaga na Sul-Americana. No entanto, com a mudança no regulamento, ocorrida neste ano, o acesso à competição internacional só acontece no ano seguinte. Porém, para ajustar o calendário, o campeão de 2016 terá a vaga do ano corrente, além da de 2017.
COMO FOI O JOGO?
O Campinense não tinha organização ofensiva. O Santa Cruz, por sua vez, fez um primeiro tempo melhor. Bem postado na marcação, o Tricolor jogou tão bem que a melhor chance da etapa foi sua, mas Grafite jogou para fora. Só que no segundo tempo, aquela chance acabou custando ao Santa. A Raposa começou a crescer e partir para o abafa. Sem organização, mas com o coração. Na base da vontade, Rodrigão trombou com a zaga coral e fez o gol. Só que aquele mesmo lance de Grafite ensinou. E na única chance clara que teve após tomar o gol, fez. Arthur marcou, após uma jogada de Keno e deu o título aos corais.
Inter vence o Juventude no Jaconi com um a menos e abre vantagem pelo hexa do Gauchão
Colorado abre o placar com golaço de Andrigo e, com um a menos durante boa parte do segundo tempo, após expulsão de Vitinho, segura o 1 a 0 fora de casa no jogo de ida da final do estadual
O JOGO
 O discurso oficial - e politicamente correto - mune os colorados de cautela acerca de uma decisão em 180 minutos. Mas o passo dado rumo à taça e à história em solo natal, com emblemátio Hexa, inédito nos últimos 40 anos, é inegável. Neste domingo, o Inter bateu o Juventude por 1 a 0 no Alfredo Jaconi, pelo jogo de ida da final do Gauchão, com golaço de Andrigo, e desce a Serra Gaúcha com vantagem pelo título e pela hegemonia estadual.

Resumir os primeiros 90 minutos da final à pintura do camisa 20, porém, é ser simplista demais. Na tarde gelada, mesmo com sol em Caxias do Sul, o jogo foi quente, típico dos embates regionais em solo gaúcho. Teve polêmica em pênalti não marcado, expulsão infantil de Vitinho e pressão dos donos da casa. Mas teve, sobretudo, muita luta dos colorados para suportar as investidas do Juventude durante 28 minutos para sair com o triunfo.

Atlético-PR desperta no segundo tempo e atropela o Coritiba por 3 a 0 na Baixada
Em menos de 20 minutos, Furacão faz três gols com Thiago Heleno, Ewandro e Hernani, enquanto o Coxa assiste ao jogo. Resultado coloca o time em vantagem para a partida final
O JOGO
O torcedor parecia não acreditar muito e a Arena da Baixada não lotou na primeira partida da final do Paranaense, mas perdeu quem não foi e viu o Atlético-PR atropelando o Coritiba por 3 a 0 na tarde deste domingo. Com gols de Thiago Heleno, Ewandro e Hernani no segundo tempo, o rubro-negro abre grande vantagem para a partida decisiva, que acontece no próximo domingo, no Couto Pereira. A equipe  pode perder até por 2 a 0 que fica com o título de campeão paranaense.  Na partida, o primeiro tempo foi um tanto equilibrado com pouca criação dos dois lados, mas a etapa complementar foi toda rubro-negra. Nem mesmo a expulsão de Hernani ainda aos 30 minutos mudou a situação ou deu algum ânimo para os apáticos alviverdes.
PINTURAHernani foi guerreiro em campo – até mesmo exagerou fazendo falta em Negueba, que resultou no segundo cartão amarelo e a expulsão -, mas nada apaga o belo gol de falta que fechou o placar do Furacão. De frente para a área, ele chutou com força e com um veneno que não restou nada ao goleiro Elisson. Ele acompanhou e viu a bola estufar a redeSem dó nem piedade: Vitória faz dois, bate o Bahia e larga na frente na final do BaianãoDiego Renan, de pênalti, e Amaral marcam os gols do Leão em partida realizada no Barradão, neste domingo. Jogo de volta da final será no próximo fim de semana
O JOGO
Tensão, belas jogadas, provocação e polêmica. Não faltou ao Ba-Vi deste domingo ingredientes para atrair a atenção e fazer a Bahia respirar futebol por 90 minutos. Teve discussão entre jogadores, pênalti duvidoso, reclamações dos dois lados e uma vantagem destruída. Em tarde de grande atuação do volante Amaral, o Vitória venceu o Bahia por 2 a 0, manteve o tabu de dois anos sem derrotas para o Tricolor e se aproximou da conquista do estadual, que pode dar fim a um jejum de dois anos sem títulos.
DECISIVO
Vander não teve uma grande atuação, mas foi decisivo pelo Vitória. O meia sofreu o pênalti convertido por Diego Renan e deu o passe para Amaral ampliar o placar. Foi substituído no segundo tempo aplaudido pela torcida.
Reações:

Postar um comentário

 
Top