preso-acusado-de-assalto_01Agentes policiais civis da 25ª Coorpin/Euclides da Cunha, prenderam na manhã desta sexta-feira (15), a pessoa de Valdir Primo de Matos, em cumprimento a um mandado judicial expedido pelo juiz de direito da Comarca Única do Município de Eliseu Martins PI, José Carlos da Fonseca Lima. “Primo” como era chamado pelos companheiros de grupo, foi preso em uma residência no bairro da Caixa D’Água, onde se escondia para não ser preso pela polícia do Estado do Piauí, onde residia na Rua Padre Cícero s/nº, cidade de Eliseu Martins, segundo informações obtidas pelo site.
O pedido de prisão preventiva formulado pelo delegado de Polícia Civil da Divisão do GRAECO PI, em desfavor de Valdir Primo de Matos e mais 7 comparsas qualificados nos autos do processo 447.37.2014.8.18.0093, onde o acusado aparece como elemento integrante de uma quadrilha especializada em assalto a carro forte, pego numa escuta telefônica com a esposa Janaína, em 16 de outubro de 2014, às 19h20, na qual Primo fez a seguinte declaração interrogativa: “ vou morrer pobre pedindo esmola? Eu botei quente lá no carro forte, mas não tinha dinheiro”, lamentou.
Ainda segundo o magistrado piauiense, a quadrilha tem bases em outros estados do Nordeste, com grupos que atuam contra veículos transportadores de valores, e faz uso de armamento de altíssima periculosidade, como fuzil calibre 7,62, 5.56, e metralhadora .50, capaz de derrubar helicóptero.
Em uma das ações do grupo, um veículo transportador de dinheiro para agências bancárias do Município de Colônia foi atacado violentamente quando já se encontrava no perímetro urbano da cidade. Sob fogo cerrado, os guardas reagiram atirando com espingardas calibre 12, mas se renderam, depois que os pneus do veículo foram furados a tiros e a lataria do carro forte perfurada pelos tiros desferidos pelo grupo.
Na ação, a rodovia BR 135 foi fechada pelos assaltantes, que detonaram o carro forte e roubaram a quantia de R$ 2,5 milhões de reais. Na fuga, um dos vigilantes foi usado como escudo colocado no capô de um Fiat Doblò, adaptado com uma chapa de aço de grande espessura no porta-malas, com três buracos quadrados por onde eram disparados os tiros contra o carro forte até fazê-lo parar com problemas mecânicos e pneus furados, ou até mesmo contra a polícia, em ação de perseguição; também para defesa própria, pois a chapa de aço impedia que fossem atingidos pelas balas disparadas contra eles. Mais adiante, o refém foi liberado e o veículo encontrado incendiado. O grupo deu prosseguimento a fuga em uma caminhonete de apoio que o aguardava na rodovia.
Foram vários assaltos a carros fortes, com o mesmo modo operandi. No grupo havia dois irmãos que residiam em Eliseu Martins, além de um deles ter em seu desfavor um mandado de prisão expedido pela justiça de Mato Grosso, também por assalto a carro forte.
Há cerca de um mês, agentes do SI (serviço de Investigação) da 25ª Coorpin, foram informados sobre a presença de “Primo” em Euclides da Cunha e fizeram sondagens no bairro da Caixa D’Água, mas, segundo um investigador, em conversa com este repórter, o acusado percebeu a movimentação policial e desapareceu da cidade. Talvez, pensando na desistência da polícia, depois de tantos dias fora e/ou quem sabe até participar de alguma ação criminosa, voltou e, desta vez, não teve como escapar dos agentes da Polícia Civil.
Sob forte vigilância, vai aguardar o pedido de transferência, que está sendo providenciado pelo doutor Miguel Vieira, titular da 25ª Coorpin, para a cidade de Eliseu Martins, onde ficará à disposição da Justiça local, que decretou a sua prisão provisória.
(euclidesdacunha.com)
Reações:

Postar um comentário

 
Top