Ferry Boat: grupo de ciclistas protesta após pagar R$ 16 e não poder estacionar
No último sábado (7), o ciclista João Paulo Ribeiro Júnior utilizou sua página no Facebook para criticar o tratamento que o grupo Mural de Aventuras recebeu ao trafegar no Sistema Ferry Boat com destino a Ilha de Itaparica. Na ocasião, João explicou que a Internacional Travessias Salvador cobrou um valor de R$ 16 por bicicleta, mas não destinou nenhuma vaga para estacionar a mesma. 

Como forma de protesto, o grupo resolveu ocupar as vagas destinadas aos veículos. Porém, o movimento gerou transtornos na embarcação. A Polícia foi acionada para resolver a situação. “Chamaram a polícia, nesse tempo, os Muralistas [o grupo de ciclistas] começaram a explicar à população o que estava ocorrendo e passaram a ter apoio dela”, escreveu João Paulo na publicação. 

Após o ocorrido, o ferry deixou o terminal São Joaquim, e a empresa responsável pela embarcação permitiu que as bicicletas ocupassem vagas destinadas aos carros. 



Empresa se defende 

Na manhã deste domingo (8), a Internacional Travessias Salvador esclareceu ao Metro1, que a situação ocorrida no último sábado no ferry boat, gerou transtorno na embarcação. Segundo a empresa, os ciclistas desrespeitaram os funcionários, o que causou a reclamação por parte dos usuários da travessia. 
 
Leia a nota na íntegra: 
Os funcionários da empresa foram surpreendidos na manhã de sábado, por volta das 5h30, com a reação exacerbada de um grupo de ciclistas em relação ao preço da passagem cobrado para a travessia de bicicleta. O grupo impediu a saída do ferry, desrespeitou funcionários, obstruiu a entrada de usuários e depositou as bicicletas deitadas sobre o convés como forma de protesto. O transtorno atrasou a saída do ferry em uma hora, provocando a justificada reclamação dos usuários.
A empresa tentou de diversas formas dialogar e acalmar os ânimos, sem sucesso. Diversos usuários procuraram a empresa para obter satisfação, já que seu direito de ir e vir estava sendo negado. A empresa utilizou o serviço de som da embarcação para explicar que o ferry não estava conseguindo sair devido ao bloqueio feito pelo grupo. A polícia foi acionada para garantir o direito das pessoas de deslocamento.
Informamos que os preços praticados pela empresa não são estabelecidos livremente, eles são tabelados e sua aplicação é fiscalizada pelo órgão regulador competente.

Confira a publicação do ciclista:  
 
Reações:

Postar um comentário

 
Top