11 últimos técnicos do São Paulo11 fotos

1 / 11
O colombiano Juan Carlos Osorio foi anunciado como técnico do São Paulo no final de maio de 2015. Ele pediu demissão no começo de outubro (dia 6) para comandar o México Robson Ventura/Folhapress
Juan Carlos Osorio entregou ao São Paulo na tarde desta terça-feira o pedido de demissão, e informou a decisão ao presidente Carlos Miguel Aidar e ao resto do clube. O São Paulo confirma a informação ao UOL Esporte. O técnico colombiano de 54 anos assumirá a seleção do México e fez o anúncio de saída em meio à crise do clube após a demissão do vice-presidente de futebol Ataíde Gil Guerreiro, que discutiu e agrediu Aidar, segundo dirigentes, na manhã de segunda-feira.
Agora o São Paulo, sem departamento de futebol, estuda a possibilidade de sucessão: além de pensar em Milton Cruz como interino, tem o uruguaio Diego Aguirre como nome forte e Milton Mendes, Doriva e o português José Peseiro como opções cogitadas.
Diego Aguirre é nome que ganha força e que, segundo apurou o UOL Esporte, aceitaria o convite do São Paulo. O português José Peseiro concorreu com Osorio pelo cargo há quatro meses e na última segunda-feira afirmou que gostaria, sim, de comandar o time nesse momento - está sem clube. Além deles, outros nomes que agradam Aidar são Milton Mendes, ex-Atlético-PR e Doriva, atualmente na Ponte Preta.

A queda

No último sábado Osorio afirmou, após vitória do São Paulo por 1 a 0 sobre o Atlético-PR, em pronunciamento no Morumbi, que sofria "tortura" psicológica pelo dilema entre ficar no São Paulo e assumir o México, e afirmou que anunciaria a decisão até quarta-feira. O colombiano tentava fazer com que a seleção mexicana aceitasse esperá-lo até o fim do ano, porque gostaria de terminar a Copa do Brasil pelo clube. Não conseguiu, porém, conforme adiantado pelo coordenador técnico Milton Cruz à mexicana Univision na noite de segunda-feira. 
O problema do São Paulo agora para escolher o sucessor do técnico é que não há mais departamento de futebol no clube: o vice Ataíde foi demitido e o diretor Rubens Moreno entregou o cargo. O gerente José Eduardo Chimello, diferentemente do antecessor Gustavo Vieira de Oliveira, não participa de negociações e faz apenas o trabalho de dia a dia, de vestiário. Hoje, para negociar com um treinador, o São Paulo depende exclusivamente de Carlos Miguel Aidar. 

Crise interna

Além da saída do treinador colombiano, o São Paulo está tendo de lidar com uma enorme crise entre seus principais dirigentes. Depois de uma briga que contou agressões físicas em um hotel na capital paulista, o presidente Carlos Miguel Aidar demitiu o vice-presidente de futebol Ataíde Gil Guerreiro, que já foi um de seus maiores apoiadores.
Com a exoneração de de seu vice, Aidar ainda pode ter de lidar com umademissão em massa de seus dirigentes, principalmente os que são próximos a Guerreiro. Participam da iniciativa, além de Julio Casares, o vice-presidente de comunicação e marketing Douglas Schwartzmann, o vice-presidente social Antonio Donizeti Gonçalves, o diretor administrativo José Alberto Rodrigues dos Santos, o diretor jurídico Leonardo Serafim dos Anjos, o diretor de relações internacionais Eduardo Alfano, e o diretor de relações instituicionais Dorival José Decoussau, entre outros.

Confusões de Aidar no comando do São Paulo7 fotos

5 / 7
Conselheiro do São Paulo, Abilio Diniz foi alvo de críticas de Aidar depois de tornar pública uma carta enviada ao presidente do São Paulo pedindo auditoria no clube Flavio Florido/UOL
Reações:

Postar um comentário

 
Top